quinta-feira, 13 de julho de 2017

Se ao menos soubesse



Vejo-te falar e não oiço
Duas linhas carnudas de sangue
desenhadas na maldade da perfeição
Traços de uma sensualidade que me ensurdece
Frágil se torna a luz no teu reflexo
Teus cabelos, ondas revoltas onde meus dedos se afogam
E tu uma praia
Onde as gaivotas esboçam no ar o meu desejo
E a areia a cama onde te quero
Cega é a ausência do teu toque
E negra a distância que nos separa


Se soubesses o quanto o pensamento me foge para ti
Se ao menos entendesses o quanto me prendes a razão



3 comentários:

  1. O verão desnuda-te a alma na perfeição :)

    ResponderEliminar
  2. O pensamento foge, a magia acontece e um belo poema nasce.

    ResponderEliminar